Embaixador do Azerbaijão no Brasil reúne jornalistas e explica sobre o conflito

O Embaixador da República do Azerbaijão, Elkhan Polukhov, reuniu ontem , ( 08 de outubro) na sede Embaixada em Brasília, um grupo de jornalistas para falar sobre o tema preocupante que envolve o conflito entre Armênia e Azerbaijão.


Polukhov explicou aos jornalistas, sobre a posição do Azerbaijão em relação ao conflito da região de Nagorno-Karabakh, que pertence ao Azerbaijão e da possibilidade de ser iniciada uma guerra declarada entre a Armênia e Azerbaijão.

Polukhov explicou que estava tudo dentro da normalidade, uma situação de alerta devido a pandemia da COVID- 19, quando o terrítorio do Azerbaijão começou a ser atacado pelos armenos , que inclusive ignoraram a pandemia mundial para iniciar este conflito.

O conflito nas montanhas do Cáucaso permanece sem solução por mais de três décadas, com batalhas periódicas. Com uso de armamento pesado, é a escalada mais séria dos últimos anos.

A localidade em questão, que se chama Nagorno-Karabakh. Trata-se de uma região autônoma dentro da república do Azerbaijão, internacionalmente reconhecida pela ONU como parte do Azerbaijão.

Os moradores desse território são muçulmanos de etnia turca e armenos de origem cristã.


Elkhan Polukhov – Embaixador do Azerbaijão no Brasil

ornalistas de vários veículos brasileiros na Embaixada do Azerbaijão em Brasília

Colocações do Azerbaijão sobre as invasões de seu território:

Reafirma o respeito e apoio contínuos à soberania e integridade territorial da República do Azerbaijão dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas


Exige a retirada imediata, completa e incondicional de todas as forças arménias de todos os territórios ocupados da República do Azerbaijão; Reafirma o direito inalienável da população expulsa dos territórios ocupados da República do Azerbaijão a regressar às suas casas e sublinha a necessidade de criar as condições adequadas para esse retorno, incluindo a reabilitação integral dos territórios afetados pelo conflito… o país pode se defender de um ataque à soberania de terras

O Azerbaijão está libertando sua própria terra e nenhum míssil foi lançado fora do Azerbaijão – pois o objetivo não é contra nenhum país soberano do mundo.

800.000 azerbaijaneses aguardando o direito de voltar para casa em Nagorno-Karabakh, mais de 33.000 armênios vivem no Azerbaijão – eles vivem livremente no Azerbaijão como cidadãos do Azerbaijão, mas nenhum azerbaijanes vive nos territórios ocupados ou na própria Armênia.



O Brasil e a comunidade internacional devem nomear abertamente o agressor e apoiar a ordem internacional, caso contrário, a tentativa de legalizar a ocupação de fato abrirá uma caixa de Pandora em muitos lugares do mundo.

Autoridade Turca– posição da Turquia.

“Nenhuma medida concreta foi tomada para acabar com a ocupação Armênia de 28 anos do Alto Karabakh e das regiões vizinhas. As crescentes provocações armênias e seus ataques ao território do Azerbaijão encheram a paciência do Azerbaijão e deixaram-no usar seu direito de defesa legítimo estabelecido no direito internacional. O Alto Karabakh é um território do Azerbaijão ”, concluiu Oktay, que esclareceu que a Turquia fica ao lado do Azerbaijão, a verdadeira vítima da ocupação.


POR FABIANA CEYHAN


20 visualizações