Para investir: cinco bolsas de luxo que nunca saem de moda

Quer investir em uma bolsa para a vida toda? Fique de olho nestes modelos


Pouch bags, sacolas plásticas, furry bags, mini buckets, pochetes... A cada temporada uma nova safra de tendências surge nos radares fashionistas, animando e atualizando os looks para a nova estação. Porém, existe também uma série de modelos que resistem ao tempo e a qualquer moda passageira: são aquelas peças "para a vida inteira".


A Chanel Classic Flap no verão 2018 da grife (Foto: Imaxtree)

Para quem quer investir em uma bolsa de luxo que nunca saia de moda, o design atemporal é fator essencial. Aqui, We Brasília reúne 5 modelos que prometem seguir com você sua vida inteira:


Classic Flap, da Chanel Entre tantos modelos da maison francesa que já se firmaram como clássicos eternos, a reinterpretação do modelo 2.55 (originalmente criado por Coco Chanel) assinado por Karl Lagerfeld e lançado originalmente nos anos 80 é incontestável: ela vai do visual mais tradicional ao rocker, e jamais perde seu apelo. It-bag absoluta, a Classic Flap, em suas diversas cores, versões e tamanhos, é tida, assim como a Birkin, da Hermès, como um investimento mais seguro do que o mercado de ações ou ouro. Com a morte do Kaiser, ela carrega ainda mais significado emocional entre os fashionistas.


Chanel Classic Flap (Foto: Getty Images)

Birkin, da Hermès Lançada em 1983, a Birkin é uma das bolsas mais icônicas da história da moda. Lançada em 1983 e inspirada na atriz e cantora Jane Birkin, o modelo foi criado após a francesa pegar um vôo com o CEO da maison e reclamar que não encontrava uma bolsa de couro grande que gostassee que coubesse todos os seus pertences. Logo depois o modelo foi lançado, levando seu nome e, fiel a seus desejos, é um clássico prático disponível em diversos tamanhos e cores e que, por sua vez, inspirou tantos modelos que vieram em seguida.


A bolsa Birkin (Foto: Getty Images)

Peekaboo, da Fendi O modelo que comemora sua primeira década este ano foi criado por Silvia Fendi como uma resposta à it bag anterior da marca, a famosa Baguette. Se a Baguette ostentava monogramas e logomarcas, a Peekaboo vem seguindo o caminho oposto, sem qualquer marca visível e com design mais amplo e tradicional, o que faz com que o modelo resista a tendências passageiras.


Fendi Peekaboo (Foto: Getty Images)

Box Bag, Celine O modelo ultraclássico existe há várias décadas. Desde os anos 70, a Celine já lançou diversas versões de sua Box Bag, mas foi Phoebe Philo, em 2011, que assinou a versão mais icônica do modelo. Mais uma bolsa sem quer logomarca ou monograma, a Box Bag é eterna e se encaixa em todos os estilos, e recentemente foi reinterpretada por Hedi Slimane, novo diretor criativo da casa francesa.


As Box Bags da Celine (Foto: Reprodução)

Speedy, da Louis Vuitton Criada em 1930 pela maison francesa, a Speedy mantém até hoje seu status de clássico atemporal. Pensada como uma versão pequena da mala Keepall, a Speedy tinha, entre suas fãs incondicionais, Audrey Hepburn. Famosa por manter sua forma mesmo com o uso frequente e o passar dos anos, a Speedy é aplaudida por raramente dar sinais de desgaste. Suas diversas versões - das monogramadas às de couro EPI, liso, ou cobertas de ilustrações de collabs disputadas, mantém a Speedy no topo da lista de bolsas eternas.


Audrey Hepburn e sua inseparável Speedy, em 1966. (Foto: Getty Images)

16 visualizações